ARANHAS

Estão catalogadas mais de 35 mil espécies desses artropodes. Todas as espécies produzem veneno, que inoculam em suas presas durante a caça e para tambem facilitar sua digestão. São carnívoros e se alimentam de insetos e pequenos invertebrados. Vivem de alguns meses a alguns anos. No Brasil, temos 4 tipos de aranhas que podem trazer preocupação médica. No geral suas picadas são doloridas, e quando acuadas soltam pelos. os quais provocam alergias e irritação do aparelho respiratório, causando sensação de asfixia. A mais comum dentre as que vivem em residencias é a aranha-marron. Ela tem hábito noturno e seu veneno é característico por destruir celulas do sangue, necrosando as partes afetadas. Como ele tem efeito anestésico, as picadas não são sentidas, e a vítima só se dá conta quando o processo inflamatório já está avançado.

BARATAS

Elas habitam o planeta, pelo menos, hà mais de 350 milhões de anos. Têm mais de 3500 especies, das quais 35 são consideradas pragas. Periplaneta Americana e Blatella Germanica são as mais comuns. Vivem de 13 a 25 meses e têm alto poder de reprodução, deixando até 800 descendentes, dependendo dos ambientes e alimentação disponivel. Contaminam alimentos e trazem doenças,como a diarréia, alem de impregnarem o ambiente com o característico odor desagradavel. São muito comuns em cozinhas e restaurantes.

CUPINS

Existem 2 mil espécies, sendo que cerca de 250 estão presentes no Brasil São insetos sociais, formados por castas -alados, soldados, e operários, e com diferentes aspectos morfológicos entre elas, adaptados ao seu tipo de trabalho, dentro da colônia. Alimentam-se, basicamente de celulose. As principais espécies são os cupim-de-madeira-sêca, e cupim-subterrâneo. Os primeiros, constroem suas colonias devorando moveis de madeira e qualquer tipo de madeiramento das residencias. Inicialmente discretos na formação de suas colonias, em geral, somente são percebidos quando as infestações se constituem de colonias adultas, com milhares deles, trazendo enormes prejuizos ao patrimônio. Os segundos são os mais prejudiciais. Vivem em ninhos ocultos no solo e em cavidades úmidas e às escuras. Percorrem o ambiente em dutos de energia e similares, constroem tuneis pelas paredes, feitos de terra, sempre procurando novas fontes de alimentação.

ESCORPIÕES

Registros apontam que eles existem há 400 milhões de anos. Já conhecemos mais de 1600 espécies No Brasil, os mais encontrados são o escorpião-amarelo e o escorpião-preto ou marrom. São venenosos e atacam humanos. Vivem de 2 a 6 anos, e são os principais predadores de baratas. Suas picadas são muito doloridas e podem provocar diversos sintomas, especialmente em crianças de até 7 anos, quando podem ser até letais.

FORMIGAS

As formigas são insetos sociais que vivem juntos em colônias. Pertencem à ordem Hymenoptera, mesmo grupo em que se encontram as vespas e abelhas. Existem várias famílias de vespas e várias de abelhas, no entanto todas as formigas estão agrupadas em uma única família, a família Formicidae. Mesmo assim, as diferenças de biologia e comportamento entre as diferentes espécies de formigas são acentuadas, variando desde a formiga doméstica, comum de se encontrar dentro de residências, infestando áreas alimentares, até em hospitais, contaminando soro fisiológico e outros equipamentos até a formiga eminentemente rural, especializada em cortar folhas e outras partes vegetais para garantir a sua sobrevivência. Para entender melhor a diferença entre cada uma destas formigas e podermos traçar um plano de ação consistente para o seu controle, necessitamos conhecer a biologia e comportamento das formigas.

MORCEGOS

Os morcegos são os únicos mamíferos que possuem capacidade de voar devido à transformação de seus braços em asas. Existem atualmente quase 1.000 espécies de morcegos, cerca de um quarto da fauna de mamíferos do mundo. Geralmente os morcegos saem de seus abrigos ao entardecer ou no início da noite e se comunicam e voam orientados por sons de alta freqüência (eles emitem ultra-sons que ao encontrarem um obstáculo, retornam em forma de ecos que são captados pelos seus ouvidos possibilitando sua orientação), além de utilizarem também a visão e o olfato. A alimentação dos morcegos varia conforme a espécie, assim, existem os que se alimentam de frutos (frugívoros), outros de néctar das flores (nectarívoros), insetos (insetívoros), sangue (hematófagos). Os morcegos em geral ficam abrigados durante o dia em locais como: cavernas, ocos de árvore, edificações (juntas de dilatação de prédios, porões, sótãos, cumeeiras sem vedação), folhagens, superfície de troncos e ocos de árvore, etc).

MOSCAS

São mais de 120 mil espécies e existem há mais de 200 milhões de anos. Podem se desenvolver tanto na água quanto no meio terrestre. De hábitos muito variados, suas larvas se alimentam de matéria orgânica em decomposição, carcaças de animais mortos, e excrementos. Quando adultos, são polífagos e, algumas fêmeas, hematófagas. Geralmente suas larvas são em forma de vermes. As que se alimentam de sangue são vetores de doenças como malária, febre amarela, dengue, e encefalite. As moscas domésticas, que se alimentam de lixo e materiais em decomposição, por meio de suas fezes, transmitem tifo, disenteria, conjuntivite,diarréia,lepra, tuberculose,cólera, varíola, poliomielite, etc. Pernilongos podem transmitir elefantíase.

PULGAS

São parasitas que se alimentam do sangue de seus hospedeiros -aves e mamíferos. Vivem até 4 meses sem alimentação. Alimentadas podem chegar a 16 meses de vida. Multiplicam-se muito rapidamente provocando grandes infestações em poucas semanas. Transmitem viroses, vermes e doenças bacterianas dos tipos: peste bubônica, tularemia, e salmonelose. Certo tipo de pulga, essa mais comum no meio rural, penetra na pele do homem, causando fortes coceiras e ulcerações, popularmente chamada bicho-de-pé.

RATOS

De hábitos noturnos, ratazanas, ratos-pretos, e camundongos, compõe as espécies dos roedores que mais dão prejuízos ao homem. Quando os vemos à luz do dia, podemos considerar o excessivo aumento de suas populações ou a falta de alimentos nas suas colônias. São omnívoros, tendo preferência por alimentos gordurosos. Habitam lugares como rede de esgotos, margens de córregos, terrenos baldios, lenheiros, depósitos de lixo, ou ainda buracos e tocas no solo. Muito prolíferos, atingem a maturidade sexual aos 3 meses, e têm de 3 a 4 ninhadas por ano, com média de 8 filhotes a cada vez. Atacam alimentos armazenados em residências ou no comércio, danificam fiações elétricas ou de telefone, chegando a causar curto-circuitos e até incêndios. Estragam embalagens, roupas, livros, etc. e contaminam a água. Suas pulgas tambem podem atacar os humanos. São vetores de doenças com a peste bubônica, tifo, toxoplasmose, hantavirose, entre outras.